Sexta-feira 03 de Dezembro, 2021
pesquisa
# # #
#
Bem-vindo
O projeto "Acontece in Loco - Montanha do Alto Minho" centra-se nas comunidades locais e no desenvolvimento das aldeias de montanha da região do Alto Minho, interligando pessoas e entidades, aproximando o local e o regional, o rural e o urbano, contribuindo para encontrar novas formas de revitalização de aldeias históricas e seculares.
Acontece In Loco - Dias de Campo

(18 e 19.janeiro.2019)


Detalhes

O projeto Acontece in Loco – Montanha do Alto Minho, financiado pelo PDR2020 no âmbito da operação 20.2.4 – Rede Rural Nacional - Observação da agricultura e dos territórios rurais, tem como objetivos aprofundar o conhecimento das dinâmicas recentes nas aldeias de montanha no Alto Minho, e capacitar os agentes de desenvolvimento rural para trabalhar em rede, partilhar informação e potenciar as dinâmicas de desenvolvimento com base num conhecimento mais atual e integrado dos territórios e das cadeias de valor em que participam.
Sistelo foi a aldeia selecionada como território piloto, desenvolvendo-se aí um intenso trabalho de diagnóstico participado, e de recolha de dados relevantes para monitorizar as mudanças em curso. O projeto envolve sete parceiros (ARDAL, ESA-IPVC, CIM-Alto Minho, Cooperativa Agrícola de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca, Associação Florestal do Lima, Territórios com Vida e Associação Sociocultural e Recreativa de Sistelo) procurando articular a escala regional com a escala local, bem como atores com diferentes valências técnicas.
O Acontece in Loco – Dias de Campo, que irá decorrer nos dias 18 e 19 de janeiro, pretende ser um momento de comunicação dos primeiros passos deste projeto, bem como um espaço de debate e de reflexão sobre alguns pontos já identificados como áreas chave para os territórios de montanha do Alto Minho.

O primeiro dia, na Porta do Mezio, será uma jornada técnica centrada nas questões estratégicas, técnicas e legais da valorização dos produtos endógenos da montanha, essencialmente produções agroalimentares ligadas à atividade pecuária e à pequena agricultura familiar, através da sua venda à escala local, diretamente aos turistas e visitantes ou através da restauração e alojamento nas aldeias.

O segundo dia, em Sistelo, tem como objetivo promover um debate sobre o modelo de desenvolvimento das aldeias de montanha do Alto Minho, e de Sistelo em particular. Sistelo alberga um património natural, paisagístico e cultural de relevo, integrado na Reserva Mundial da Biosfera, Rede Natura 2000 e com uma Paisagem Cultural classificada como Monumento Nacional. A enorme atratividade turística que tem tido no último ano, mensurável pelo número de peões a circular pelo troço final da Ecovia do Rio Vez (mais de 25 000 passagens, apenas no verão de 2018), tem potenciado novas atividades económicas, essencialmente ao
nível dos serviços, mas também ao nível sociocultural (por exemplo com a nova exposição etnográfica criada pela Associação local). Enquanto ainda estão em aberto várias opções quanto ao futuro modelo de desenvolvimento em Sistelo, há que refletir profundamente sobre elas.
Como tirar o melhor partido dos recursos territoriais? Como conciliar o turismo e a qualidade de vida da população local? Como salvaguardar os valores ecológicos, paisagísticos e culturais, que tão harmoniosamente se foram moldando ao longo do tempo? A comunidade local – que construiu o património que hoje reconhecemos como excecional – constitui a primeira razão deste projeto, e é com ela e para ela que se desenvolve o trabalho de pensar e de ir moldando as novas formar de viver, de trabalhar e de visitar Sistelo. No segundo dia pretendemos mobilizar a equipa de projeto e os agentes de desenvolvimento regionais, levando-os ao campo
para, in loco, em discurso direto e numa lógica de envolvimento e motivação da comunidade local, apresentarem as várias visões e perspetivas que enquadram a sua ação política, institucional e técnica.


A Equipa Técnica de Projeto do Acontece in Loco convida todos os interessados em participar no Acontece in Loco – Dias de Campo. A entrada é gratuita, mas sujeita a inscrição, via email:
portadomezio@ardal.pt

Programa:

Dia 18 de janeiro (sexta‐feira)
Porta do Mezio. 14h00.

TEMA: Valorização dos produtos
agroalimentares da montanha através
do turismo


14h00 Boas vindas ‐ Equipa de Projeto
Acontece in Loco‐Montanha do Alto
Minho – Sara Simões

14h30 Valorização de produtos locais:
DOP Cachena da Peneda e Feijão Tarreste
–Amaro Amorim (Coop. Agrícola A.
Valdevez e P. Barca)

14h45 Valorização dos recursos genéticos
locais: Raças Cachena e Barrosã – Rui
Dantas (ACRC e AMIBA)

15h00 Um caso de valorização de carne
de raças autóctones da Galiza ‐ José Luís
Vaz (Verín Biocoop)

15h15 Estratégias de Marketing para os
produtos locais da montanha – Rui Rosa
Dias (IPAM)

15h30‐16h00 Debate

16h00 Enquadramento legal da venda
direta e da venda de produtos
agroalimentares locais – Graça Viegas

16h30‐17h00 Debate

Dia 19 de janeiro (sábado)
Junta de Freguesia Sistelo. 14h00.

TEMA: Aldeias de montanha – futuros
possíveis e futuros imaginados


14h00 Boas vindas ‐ Junta de Freguesia de
Sistelo – Sérgio Rodrigues

14h30 Sistelo – um novo destino turístico.
Dados do Ecocounter – Joana Nogueira
(Projeto Acontece in Loco)

14h45 Perspetiva municipal sobre os
territórios de montanha – João Manuel
Esteves (CMAV)

15h00 Perspetiva regional sobre os
territórios de montanha ‐ CIM Alto Minho

15h15 Paisagem Cultural de Sistelo ‐
Monumento Nacional ‐ Elvira Rebelo (DRCN)

15h30 O baldio de Sistelo – uma riqueza
comunitária a proteger e valorizar – Durval
Gave (CD Baldio de Sistelo)

15h45 Turismo de montanha no Alto Minho –
Marina Carvalho (Explore Ibéria)

16h00 Exposição etnográfica – projeto de
salvaguarda e dinamização da identidade
territorial (Liliana Neves, ASCR Sistelo)

16h15‐16h45 Debate